Filmão sobre João Saldanha

“João” foi lançado em DVD. E pode ser visto no canal Now.

Texto originalmente publicado em 28 de maio de 2010

Cena 1: a Seleção Brasileira treina no campo da Gávea, cercada de torcedores e sem cobrança de ingresso. Você não viu isso esta semana, claro. É uma imagem de arquivo de uma das primeiras convocações da seleção que disputaria as Eliminatórias da Copa de 70, tendo João Saldanha como treinador. Cena 2: a Seleção Brasileira é recebida no Palácio do Planalto, em Brasília, pelo presidente da República. Não a imagem desta semana, com Lula. A Seleção voltava de uma Copa com a taça de campeão do mundo. Também não se trata da festa de 2002, com FHC no poder, tão lembrada esta semana (cambalhota de Vampeta etc). Mas a visita de 1970. Na volta do México, Jules Rimet conquistada definitivamente, os tricampeões do mundo tiveram que visitar o Palácio, onde mandava Médici. O capitão do tri, Carlos Alberto Torres, aparece na mesa do ditador. Constrangido, pelo jeito. De onde se pode concluir: seja qual for a cor do governo, vermelho do PT, azul dos tucanos ou verde-oliva da ditadura militar, o futebol sempre foi/é/será usado pelos políticos, em especial a seleção nacional). As duas cenas de arquivo estão em “João Saldanha”, filmaço de André Iki Siqueira e Beto Macedo sobre a vida do “comentarista que o Brasil consagrou”: João Saldanha (com musiquinha!). Continuar lendo “Filmão sobre João Saldanha”

“30 Gols Históricos do Glorioso”

Publicado em abril de 2010
Na coleção de CDs da rádio Globo do Rio com gols históricos dos 4 maiores times cariocas, o disquinho do Botafogo começa com um gol de Amarildo no Rio-São Paulo 62 e vai até um de Loco Abreu contra o Vasco já no Estadual de 2010, de Waldir Amaral a José Carlos Araújo. E também tem gols importantes em clássicos contra o Flamengo. Waldir Amaral narra o 2º gol de Garrincha, “o demônio da Copa”, 3º do Bota na final do Estadual de 62. Bicampeão. Na voz do mesmo locutor, aparecem gols de Gérson e Roberto nos 4×2 da final da Taça Guanabara de 68. De novo, Bota bicampeão. O CD da 1220 khz também reapresenta o gol de Jairzinho, “camisa número 10”, no 6×0 contra Flamengo, no Brasileirão de 72 (com direito a Mário Vianna Vianna berrando “gooool legal”). E ainda mais importante, o tento de Maurício contra o Fla na final do Estadual de 89, na voz de José Carlos Araújo. 1×0. O Botafogo era campeão depois de 21 anos. Ouça um teaser da coleção de CDs da Globo Rio aqui.


México 1970

Estamos a praticamente 2 meses do pontapé inicial da Copa do Mundo 2010. Chegou às bancas (na sexta-feira) o primeiro DVD da Coleção Copa do Mundo Fifa 1930-2006, lançada pela Abril. E nada mais tentador do que começar a série do que o mítico Mundial de 70, no México. Brasil tri e com show de bola. “Dream team”, apelida o Dossiê preparado pela Placar que vem junto com o filme (veja a capinha mais à direita; o formatinho é de gibi, as informações são valiosas). E o DVD propriamente dito é o filme oficial da Copa de 70, “The World At Their Feet”  – com todos os seus problemas (excesso de narração em off, ausência de replays, historinha dispensável – menino fanático que viaja ao México escondido da mãe) e vantagens: filmagem muito boa, em película, e a própria Copa de 70. Além do show das feras que o Saldanha preparou e o Zagallo comandou na hora H, teve o que é considerado o melhor jogo da história dos Mundiais: Itália 4×3 Alemanha, na semifinal que apontou a Squadra Azzurra como adversária do Brasil na grande final. Até os uniformes das seleções de 70 parecem os mais maneiros de todos os tempos. Repare como o Tostão jogou bola… é brincadeira o que ele faz no lance contra a Inglaterra que terminou com o gol de Jairzinho, o furação da Copa. E as jogadas de Pelé que não terminaram com a bola no fundo da rede, mas entraram para a coleção de imagens clássicas do esporte mundial.
O primeiro volume da Coleção Copa tem ainda 2 extras: biografias de Ronaldo Fenômeno e Roberto Baggio, mais um Top 10 dos gols de longa distância.
Na semana que vem, sai mais um DVD: o filme da Copa de 2002.
LISTA DOS TRICAMPEÕES E A CAMPANHA DO BRASIL:
Continuar lendo “México 1970”

Ídolos

capa_paixao_pelo_radioSeção “A Suderj informa”… vem aí mais livros sobre ídolos do futebol e até do rádio esportivo brasileiro. O site da Maquinária Editora avisa que está quase pronta a biografia do locutor José Carlos Araújo, da rádio Globo do Rio (noite de autógrafos marcada para 26 de outubro). O livro chama-se Paixão pelo Rádio e e foi escrito por Rodrigo Taves.

Na coleção Ídolos Imortais, a mesma Maquinária lança Os Dez Mais do Botafogo, texto de Paulo Marcelo Sampaio sobre Nilton Santos, Garrincha, Didi, Gérson, Jairzinho, Paulo César Caju, Zagallo, Túlio Maravilha, Manga e Heleno de Freitas.

Um amistoso nada amistoso

Recomendo aos amigos do blog a leitura de um artigo na ótima Revista de História da Biblioteca Nacional – edição de setembro, nas bancas.  “O dia em que o Rio Grande do Sul vaiou o Brasil”, do professor Cesar Augusto Barcellos Guazelli, da Unversidade Federal do Rio Grande do Sul. No texto, o professor recria a atmosfera de rivalidade que cercou um amistoso entre a seleção brasileira de Zagallo e uma seleção gaúcha. Tudo porque Zagallo não tinha convocado o lateral gremista Everaldo, campeão em 70, para a disputa da Mini-Copa, em 1972. Placar final? 3 gols para o Brasil (Jairizinho, PC Caju e Rivellino). Três gols para os gaúchos (2 de Carbone e 1 de Claudiomiro), reforçados pelo chileno Figueroa (ídolo colorado), pelo uruguaio Ancheta (símbolo gremista), ambos na zaga do RS, e o atacante argentino Oberti (então no Grêmio). Os amistosos do Brasil contra seleções estaduais tinham esse clima de rivalidade, estimulada por bairrismo e clubismo. Por outro lado, muitas vezes seleções regionais representaram Brasil.

Verdão foi Brasil em 65. Foto: A.I. do Palmeiras
Verdão foi Brasil em 65. Academia de História do Palestra-Palmeiras

Outro dia lembrei aqui que Brandão convocou maioria de atleticanos e cruzeirenses para jogos da Copa América de 75. E até clubes vestiram a amarelinha. Como o Palmeiras, em 7 de setembro de 1965. O timaço chamado de Academia vestiu verde-amarelo contra o Uruguai, no Mineirão(leia texto).