Luciano do Vôlei. E do futebol, do automobilismo, do boxe, do basquete… Um locutor NBA!

Ele foi mais que um locutor esportivo.

Luciano do Valle (1947-2014) não inventou o esporte na TV brasileira, mas o revolucionou. Num tempo em que a gente nem sonhava com o autêntico #multiplex que é a TV por assinatura, lançou o “Show do Esporte” na Rede Bandeirantes (que já tinha feito uma experiência nesse sentido, com o “Super Domingo Esportivo”). A Bandeirantes virou “o canal do esporte”, quase um canal especializado. No domingo, eram horas e horas de transmissões esportivas. Das 11h às 20h, 21h, 22h… De graça, na TV aberta.

Claro, tinha muito futebol, nacional e europeu. Luciano e sua equipe transmitiam campeonatos que hoje a gente vê na ESPN, Fox, Sportv e Esporte Interativo.

Mas não foi só futebol. Transmitiu vôlei, natação, boxe, basquete… até sinuca a Band transmitiu.

Apostou no esporte brasileiro. Na passagem pela Record, levou o vôlei para um estádio de futebol, e não qualquer um, para o “maior do mundo”, como diria seu colega Jorge Curi. Maracanã, 1983. A seleção brasileira de vôlei ganhou por 3 sets a 1 da União Soviética. Que vitória. Do vôlei brasileiro e de Luciano.

E não parou. Maguila, Fórmula Indy, futebol feminino, masters, Copa Pelé, aspirantes. Até tentou levar o doutor Sócrates para a sua Ponte Preta.

Mas muito mais do que um empresário, Luciano do Valle era um locutor esportivo espetacular. Pura emoção. E que voz!

Minha geração de torcedores cresceu ouvindo Luciano do Valle narrar futebol.

O primeiro título brasileiro do meu time, provavelmente algum do seu time também. A doída derrota na Copa de 1982. Tantas Olimpíadas! Gols, pontos, medalhas, cestas!

Que coisa: justo a Copa do Mundo programada para o Brasil não terá o vozeirão de Luciano do Valle, ele que começou a transmitir Mundiais em 1970, pela rádio Brasil de Campinas. E foi pé quente.

Obrigado, Bolacha. Valeu! Continue lendo

País do futebol?

Não vou falar aqui sobre o estapafúrdio regulamento do Campeonato Paulista, que permite que um time precise de um arquirrival para se classificar. Ok, também pode acontecer com o Brasileirão. Mas nos pontos corridos, um time com pontuação menor que outro não pode se dar melhor.

Não vou me estender muito sobre os públicos ridículos dos estaduais, mas … o Flamengo voltou a jogar para menos de mil pessoas? Fala sério! A última pesquisa da Pluri Consultoria mostrou que o futebol brasileiro teve média de apenas 4.721 espectadores em 2013. Eis os números, em ordem crescente de importância.

  • Estaduais: 2.526 torcedores/jogo.
  • Nacionais (Brasileirão séries A, B, C e D, mais Copa do Brasil: 7.936 espectadores/jogo. Isoladamente, a Série A do Brasileirão teve média de 14.951.
  • Regional (Copa do Nordeste): 8.886 torcedores/jogo.
  • Internacionais: 25.315 “hinchas/partido”, considerando  apenas os jogos em casa dos brasileiros na Libertadores, Sul-americana e Recopa em 2013.

Clique aqui para ver o Balanço de Público e Renda do Futebol Brasileiro em 2013, relatório consolidado da Pluri.

País do futebol? Com médias assim, não dá para competir com grandes ligas, nem ligas em crescimento, como a chinesa. O futebol brasileiro não consegue segurar jogadores como o raçudo Aloísio, “boi bandido”.
E olha só que curioso. A Lusa Tour, agência de viagens da Portuguesa de Desportos, vende um pacote turístico para ver “O Clássico” português, Porto x Benfica, na última rodada do campeonato da terrinha. Deve ser em 11 de maio (data e horário a confirmar). no estádio do Dragão, com possível festa dos #encarnados de Lisboa. E olha, é tentador.

Difícil imaginar que uma agência de viagens ligada ao Futebol Clube do Porto ou ao seu rival Sport Lisboa e Benfica venda pacotes para o #adepto ver uma partida entre as #equipas do Vasco e da Portuguesa, ou mesmo um Fla-Flu, um Dérbi paulistano, um Majestoso, um Choque-Rei…

Continue lendo

Pimba na #Gorduchinha!

http://penalty.com.br/

Quem também mandou bem no marketing foi o pessoal da Penalty. Como o pessoal da Copa não se interessou pelo apelido dado pelo pai da matéria Osmar Santos, locutor que esmerilhou no rádio esportivo paulista dos anos 70 ao começo dos 90 – apesar da campanha popular – a fabricante brasileira aproveitou e lançou a bola Gorduchinha.

Ooooosmar Santos merece!
Continue lendo

Tá na rede! Rock Flu.

1960160_10152279321348454_1124405464_n

Foto de capa da página do Rock Flu no Facebook

Rock Flu, o programa dos tricolores Gustavo Valladares e Sergio Duarte na web, agora tem uma página no Facebook (curta aqui).  O legal é que ficou super fácil para pesquisar o que rolou nos programas anteriores. Cada edição de arquivo está ganhando um #banner especial, como este  sobre o especial gastronomia e rock´n´roll.

Ou a edição 100, de novembro de 2013, em que o convidado foi o ex-jogador Manfrini.

Boa notícia porque o “Rock Flu” é  um incrível banco de dados sobre rock dos quatro cantos do mundo, blues e futebol – especialmente, Fluminense, como o nome indica. \m/

Loureeeiro Neeeto!

Manoel Fernandes Loureiro, o Loureiro Neto, o português mais brasileiro do rádio (DIVULGAÇÃO Rádio Globo)

Manoel Fernandes Loureiro, Loureiro Neto, o português mais carioca do rádio (FOTO: DIVULGAÇÃO Rádio Globo)

Duas grandes perdas nesta quarta-feira.
Na música espanhola e mundial, Paco de Lucia (mais na Coluna).
No rádio brasileiro, o comunicador Loureiro Neto. Português de Palmeira, Manoel Fernandes Loureiro – nome de batismo – chegou com 5 anos ao Brasil. Trabalhou no programa “Resenha Esportiva” da TV Rio, foi repórter da Rádio Vera Cruz, do grupo Bloch. No Sistema Globo de Rádio, estreou no programa “Globo Esportivo”.

No  final dos anos 70, Loureiro Neto – nome artístico – fez parte de uma formação histórica do rádio esportivo brasileiro (até porque a rádio Globo do Rio era e é ouvida em todo o país): ao lado dos dos clássicos locutores Jorge Cury (um dos favoritos do blogueiro), Waldir Amaral (“bololô na área”), João Saldanha (“o comentarista que o Brasil inteiro consagrou”) e o ex-juiz Mario Vianna (“com dois “Ns”). Os repórteres de campo eram Kléber Leite e Loureiro Neto.

rádio globo

Anúncio publicado em 1978

Que equipe! Uma seleção! Uma espécie de Real Madrid do rádio esportivo brasileiro.

Kléber Leite depois virou empresário e foi presidente do Flamengo. Como bom português radicado no Rio, Loureiro era Vasco. Continue lendo

Rock and roll e Fluminense. Com Bom Senso.

ROCK_FLU_final Está no ar o programa Rock Flu 97. Gustavo Valadares e Sérgio Duarte batem papo sobre futebol (especialmente, as questões do Fluminense) e rock com outro roqueiro tricolor, Maurício Lima.
No programa, eles falam do movimento dos jogadores Por Um Futebol Melhor Pra Todos (Bom Senso FC), o sucesso do estande pioneiro do Fluminense na Bienal do Livro e o último Rock in Rio. O Gustavo conta que levou duas horas para entrar na Cidade do Rock no domingo do metal!
No playlist da nova edição, a dupla Rock Flu rola som dos brasileiros Viper, Matanza, Sarcófago e Possessonica, e muito mais: o inesquecível Ronnie James Dio e a sua grande “Holy Diver”, Black Sabbath (“Zero the Hero“, da época do “Purple” Sabbath), Ramones e um especial do Iron Maiden. Nunca é demais ouvir “Wasted Years”. A gente está acostumado com o clip, mas só ouvindo, dá até para “ver” o Adrian Smith lançando mão da alavanca da guitarra no final do solo! Ah, tem a cover que a donzela de ferro  fez da pérola do hard rock dos anos 70 “Doctor Doctor” também foi lembrada. Certamente, porque Serginho e Gustavo ouviram a versão original, da banda UFO, antes do show do Maiden no Rock in Rio.

\m/

Eu acredito, tu acreditas, eles acreditam. Nós acreditamos…

  • Nos últimos meses, os torcedores do Galo conjugaram o verbo acreditar à beça, não? A gente já mencionou aqui o livro que os jornalistas Leonardo Bertozzi, Mário Marra e Mauro Beting escrevem, sobre a primeira Libertadores atleticana. Chama-se “Nós Acreditamos” e sai no mês que vem, pela BB Editora.
  • A editora Panda Books e a rádio  I t a t i a i a,  de Belo Horizonte, preparam um audiolivro. “Eu Acredito! Atlético Campeão da Libertadores 2013“. São 3h de áudio, com a narração de todos os 29 gols da campanha campeã, as defesas milagrosas que  levaram à beatificação e canonização de Victor para os atleticanos, e a íntegra da emocionante final contra o Olimpia, no Mineirão.  Narração de Mário Henrique Caixa. Capa abaixo. Fica pronto em 12 de agosto e já está em pré-venda no site da Panda.

“O Pai do Gol” no CINEfoot

Abril de 2013

O filme de Luiz Ferraz sobre o locutor José Silvério, “O Pai do Gol”, que foi exibido no É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários, também vai passar no CINEfoot em Sampa e no Rio. O curta acompanha Silvério na transmissão de um São Paulo x Flamengo no Morumbi. Sem mostrar cenas do jogo – a câmera na cabine se volta para o locutor- você fica imaginando os lances (tentando se lembrar, se viu a partida), exatamente como no rádio. E conhece um pouco mais sobre o método de trabalho do locutor que narra …

EspAAAlma, Felipe

Pra fOOOra

… e completa

que golAÇO!

Tem 17 minutos e foi captado em HD.
Confira as sessões do CINEfoot no Rio e em São Paulo.

Curta documentário sobre o locutor José Silvério, “O Pai do Gol”.

Última chance para ver “O Pai do Gol” no festival É Tudo Verdade.

Fiquei sabendo na variada coluna do João Carlos Assumpção, o Janca (um dos diretores do filme “Sobre Futebol e Barreiras”), no #Lance! de hoje:  o cineasta Luiz Ferraz fez um curta-metragem sobre o locutor José Silvério, “O Pai do Gol”.  O curta-doc foi captado em HD e tem 17 minutos de duração. Acompanha Silvério na transmissão de um São Paulo x Flamengo no Morumbi. Sem mostrar cenas do jogo – a câmera na cabine se volta para o locutor- você fica imaginando os lances (tentando se lembrar, se viu a partida), exatamente como no rádio. E conhece um pouco mais sobre o método de trabalho do locutor que narra “espAAAlma, Felipe“, “Pra fOOOra” e completa “e que golAÇO“!

“O Pai do Gol” já passou em festivais de cinema como o do Rio, em 2012. Confira o trailer:

Continue lendo

Sala de Troféus do Fluminense

DSC00299

DSC00266
A Sala de Troféus do Fluminense, inaugurada em junho de 2012, tem que ser mesmo motivo de orgulho do tricolor de coração. É um belo memorial à rica história do clube, de suas camisas, de seu simpático estádio, seus ídolos e suas conquistas – como os quatro títulos nacionais de ponta. O blog Fut Pop Clube teve a honra de conhecer a Sala de Troféus na véspera da consagração desse quarto título, o do Brasileirão 2012. Êta blog pé quente, hein? O Sérgio Duarte, torcedor tricolor, um dos produtores e apresentadores do programa Rock Flu, foi o cicerone deste Rolê do Fut Pop Clube. Ao Serginho, muito obrigado. Continue lendo