Ronaldinho Gaúcho no Fluminense 2015

Atualizado em 11 de julho

  • Chegaram: Ronaldinho Gaúcho (estva ano Queretaro). Osvaldo (atacante, ex-Ceará e São Paulo, estava no Al-Ahli Sports, da Arábia Saudita)
  • Saiu: Kenedy (Chelsea). Wagner deve ser o próximo.
  • Ídolos: Fred, Diego Cavalieri, Magno Alves, Gum, Jean.
  • Jovens estrelas: Gerson (pode sair).
  • Estrangeiros: Bryan Olivera (jovem meio-campo uruguaio)
  • Técnico: Enderson Moreira
  • Uniformes: Adidas.
O uniforme 1 do Flu completou 110 anos em 2015

O uniforme 1 do Flu completou 110 anos em 2015

A marca das 3 listras acabou de divulgar o novo uniforme branco do Flu.

Continuar lendo

“Sangue, Swingue e Cintura” / “Milagre da Alegria”

Moraes
“Sangue, Swingue e Cintura” / “Milagre da Alegria” são os lados A e B de um compacto de vinil, que o flamenguista Moraes Moreira lançou pouco antes da Copa de 1982, pela gravadora Ariola. “Sangue, Swingue e Cintura” fala da seleção de Telê, o “fio de esperança”, canta os craques Zico e Sócrates (“só craque doutor!”), lembra de Pelé e Garrincha. A canção citada em livros como o do Beto Xavier e do Marcelo Mora é uma das muitas de Moraes sobre futebol – confira comigo no replay como foi o show Jogando por Música, feito muito por conta do Mundial de 2010. Continuar lendo

A Era Telê Santana: os títulos do mestre no São Paulo.

Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92

Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92

Publiquei no post anterior a galeria de títulos oficiais do Barcelona na Era Guardiola. Já são 13, em 16 disputados. Neste post, gostaria de lembrar do maior responsável por um futebol elogiado por Pep Guardiola: Telê Santana. E olha que aqui vão só os títulos da chamada Era Telê no São Paulo Futebol Clube. Entre 14 de outubro de 1990 (primeiro jogo da segunda e mais conhecida passagem do mestre pelo tricolor do Morumbi)  e 27 de janeiro de 1996, foram dez grandes conquistas, fora as taças de torneios amistosos e de verão, alguns tradicionalíssimos, como o Teresa Herrera e o Ramón de Carranza.

  • GALERIA DOS TÍTULOS DE TELÊ SANTANA NO SÃO PAULO – TORNEIOS OFICIAIS

Libertadores, sua linda!

  1. Campeonato Brasileiro de 1991
  2. Campeonato Paulista de 1991
  3. Taça Libertadores da América de 1992
  4. Mundial Interclubes 1992
  5. Bicampeão Paulista de 1992
  6. Bicampeão da Taça Libertadores da América em 1993,
  7. Recopa Sul-Americana de 1993,
  8. Supercopa dos Campeões da Libertadores em 1993
  9. Bicampeão Mundial Interclubes de 1993;
  10. Bicampeão da Recopa Sul-Americana de 1994

O dia em que uma “Ferrari” vermelha, branca e preta atropelou o Dream Team

Zetti, Vitor, Adílson, Ronaldão e Ronaldo Luiz; Pintado, Toninho Cerezo (Dinho) e Raí; Cafu, Palhinha e Müller. Torcedor são-paulino, dá saudade de ler a escalação desse time, não dá? Em 13 de dezembro de 1992, o tricolor de Telê Santana, campeão da Libertadores, encarou o Dream Team do Barcelona, campeão europeu.
O Barça era treinado pelo seu polêmico ex-craque, Johan Cruyff. No estádio Nacional de Tóquio, de tantas recordações boas também para flamenguistas e gremistas, o campeão da Europa chegou como favorito. Tinha nomes como o goleiro Zubizarreta, de seleção espanhola, Koeman, Guardiola (o hoje técnico campeão de tudo), a joia dinamarquesa Michael Laudrup e o artilheiro búlgaro Stoichkov.
Que abriu o placar, aos 12 do primeiro tempo.
O camisa 10 do São Paulo, o capitão Raí, aproveitou cruzamento de Müller e fez o gol de empate, até hoje não se sabe bem como nem com que parte do corpo. Vai ser virado pra Lua lá assim em Ribeirão Preto, Morumbi, Paris ou Tóquio, Raí!
A 11 minutos do fim do tempo regulamentar, “olha a falta, o São Paulo vem com jogada ensaiada, olha a chance do tricolor, Raí na batida de falta, capricha garotinho, capricha, rolou pra Cafu, pra Raí pro gol, eee queeee goooolllll”. Raí fez de folha seca o gol do título. E a narração do pai da matéria, Osmar Santos, abre o hino do São Paulo num CD lançado por “Placar”.
Cruyff disse: “se é para ser atropelado, melhor que seja por uma Ferrari”.
Às duas da manhã no horário brasileiro, o São Paulo era campeão mundial pela primeira vez.

image

Capa do livro “Fio de Esperança – Biografia de Telê Santana” http://www.ciadoslivros.com.br

Esta taça é tua, Raí. Tua e de Zetti, Vitor, Adílson, Ronaldão, santo Ronaldo Luiz, Pintado, Toninho Cerezo, Dinho, Cafu, Palhinha, Müller, e acima de tudo, de Telê Santana.
Por isso, nada melhor para ilustrar este post do que esta foto do saudoso mestre, com este sorriso campeão, na volta ao Brasil com a taça do mundo, que está na capa do emocionante livro de André Ribeiro, “Fio de Esperança – Biografia de Telê Santana” (agora pela editora Cia dos Livros), altamente recomendado para quem gosta pelo futebol-arte. Continuar lendo

80 anos do eterno mestre Telê

Gostaria de lembrar de um documentário e de um livraço sobre o ponta franzino do Fluminense – daí o apelido “Fio de Esperança” – que virou técnico campeão pelo Flu, Galo, Grêmio, São Paulo campeão de tudo entre 1991 e 94. Onde não levantou título, deu show de bola – Palmeiras 1979, Seleção Brasileira da Copa de 1982 e, em menor grau, do Mundial de 1986.
Já saiu em vídeo pela Imovision o documentário Telê Santana – Meio Século de Futebol-Arte, dirigido pelas jornalistas Ana Carla Portella e Danielle Rosa. Tive o prazer de ver uma exibição em cinema do doc, na mostra CineFoot, no ano passado. Depoimentos de montão: Cafu, de quem Telê pegou muito no pé para aprender a cruzar a bola, Roberto Dinamite, Juvenal Juvêncio, Leonardo, Wanderley Luxemburgo, Marcelinho Carioca, Muller, o pupilo Muricy Ramalho,  Palhinha, Raí, Renato Gaúcho, Serginho Chulapa, Sócrates, Zetti, Zico e muitos outros. Confira o site e o Facebook do filme.

A outra dica vai para uma reedição, uma oportuna reedição: Fio de Esperança-Biografia de Telê Santana é o emocionante livro do jornalista André Ribeiro, agora pela editora Cia dos Livros e com nova capa, que você pode ver ao lado. André Ribeiro é o autor de Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva, também relançado pela Cia dos Livros.  Tem 512 páginas e vale cada 59 reais e 90 centavos.

Outros posts sobre o maior técnico de todos os tempos:
Continuar lendo

Ao mestre Telê Santana, com carinho

21 de abril. 5 anos que Telê Santana nos deixou. Gostaria de lembrar de um documentário e de um livro sobre o ponta franzino do Fluminense – daí o apelido “Fio de Esperança” – que virou técnico campeão pelo Flu, Galo, Grêmio, São Paulo campeão de tudo entre 1991 e 94. Onde não levantou título, deu show de bola – Palmeiras 1979, Seleção Brasileira da Copa de 1982 e, em menor grau, do Mundial de 1986.
Está para sair em vídeo pela Imovision o documentário Telê Santana – Meio Século de Futebol-Arte, dirigido pelas jornalistas Ana Carla Portella e Danielle Rosa. Tive o prazer de ver uma exibição em cinema do doc, na mostra CineFoot, no ano passado. Depoimentos de montão: Cafu, de quem Telê pegou muito no pé para aprender a cruzar a bola, Roberto Dinamite, Juvenal Juvêncio, Leonardo, Wanderley Luxemburgo, Marcelinho Carioca, Muller, o pupilo Muricy Ramalho,  Palhinha, Raí, Renato Gaúcho, Serginho Chulapa, Sócrates, Zetti, Zico e muitos outros. Confira o site e o Facebook do filme: Continuar lendo

De letra: livros e mais livros sobre futebol.

Publicado em setembro de 2009
www.companhiadasletras.com.brfiodeesperanca-bigDiamante-Eterno-big (1)

Quarenta e cinco livros sobre futebol já foram lançados em 2009. As contas são do administrador de empresas Domingos D´Angelo, guardadas as proporções uma espécie de José Mindlin dos livros futebolístícos. Criador do MemoFut (Grupo de Literatura e Memória do Futebol), Seu Domingos possui hoje 1.632 obras sobre futebol em português.  Mais 11 estão a caminho. “O primeiro livro que chamou minha atenção foi Drama e Glória dos Bicampeões, do Armando Nogueira e Araújo Neto, de 1962. Na verdade quando eu comecei mesmo a montar esta biblioteca, não sei, deve ter sido há mais ou menos 30 ou 40 anos”, diz o criador do MemoFut.

Fut Pop Clube pediu para Domingos D´Angelo escolher 11 livros.  Missão quase impossível para o colecionador, que diz já ter tentado escolher 100 e desistido. Mesmo assim, ele topou indicar várias obras para os leitores do blog. Vou publicar em capítulos. Primeiro, três biografias que para seu Domingos ajudaram a diminuir o preconceito sobre o tema:

NOS PRÓXIMOS DIAS: outras biografias, histórias de clubes, almanaques e livros de crônicas indicados por Domingos D´Angelo, do grupo MemoFut.