Uma bola. 22 jogadores. 74 mortos. Centenas de feridos. A tragédia de Port Said.

Port Said, 1º de fevereiro de 2012. O banho de sangue durante o jogo entre o Al-Masry e o Al-Ahly pelo campeonato egípcio tomou conta do noticiário esportivo e internacional neste meio de semana.
Os relatos assustam: facas e bombas dentro do estádio, jogadores espancados, corpos nos vestiários, torcedores esmagados.
Os números arrepiam ainda mais: 74 mortos, quase mil feridos. Desta vez, não dá para jogar toda a conta da lamentável tragédia na bestial violência de torcidas fanáticas por futebol. Mas num país em convulsão política e social, esses grupos organizados têm um lado, uma escolha partidária.
E como as autoridades fizeram vista grossa, um estádio de futebol infelizmente acaba sendo um cenário fácil para uma batalha de ódio como a que vimos no Egito. Pelo jeito, um ano depois da revolta na praça Tahir, o Egito ainda longe da paz.

Uma dica de leitura que não fala dos conflitos no Egito, mas têm capítulos sobre o envolvimento de torcidas organizadas na política partidária, atuando como milícias: Continue lendo

35 anos do Paulistão 75

Waldir Peres, Nelsinho (depois treinador), Paranhos, Arlindo (Samuel jogou as finais) e Gilberto Sorriso; Chicão e Pedro Rocha; Terto, Muricy Ramalho, Serginho Chulapa e Zé Carlos. Foi com esse time-base que o São Paulo treinado pelo argentino José Poy (ex-goleiro/ídolo do tricolor) conquistou o campeonato paulista de 1975. A grande final, há exatamente 35 anos, foi disputada no Morumbi e decidida nas cobranças de pênaltis. Tricolor campeão invicto do primeiro turno, disputado em pontos corridos.  Portuguesa campeã do segundo turno, depois de um hexagonal decisivo com os cinco grandes e o América de São José do Rio Preto (deu pra ter uma ideia do confuso regulamento, dois em um? era assim, naqueles tempos). A Portuguesa de Otto Glória tinha na decisão Zecão (com sua chamativa camisa amarela), Cardoso, Mendes Calegari e Santos; Badeco, Antonio Carlos, DicáEnéas, Tatá e Wilsinho – nada menos do que  7 jogadores do título paulista de 1973, dividido com o Santos, que também foi (mais ou menos) decidido nos pênaltis. Continue lendo

Ponte Preta, 110 anos!

Flâmula da Ponte Preta, que neste 11 de agosto completa 110 anos! O clube já revelou jogadores como Waldir Peres, Carlos, Nelsinho Baptista, Oscar, Juninho Fonseca, Polozzi, Jair Picerni, Fábio Luciano, Dicá (como jogava!), Luís Fabiano etc… Pela Macaca, passaram ainda Chicão (valente volante de Piracicaba que depois jogaria no São Paulo, Santos, Galo, Seleção de 78), Dadá Maravilha, Jorge Mendonça, Tuta, W9, Mineiro.

O site Minhas Camisas chama atenção para a camisa comemorativa dos 110s anos da Ponte. Maneira!

E o seu Domingos D´Angelo, do MemoFut, sempre ligado nos lançamentos, avisa do livro Ponte Preta: A Torcida que Tem um Time, de André Pécora e Stephan Campineiro (Pontes Editores). Noite de autógrafos: quarta-feira que vem, 18 de agosto, a partir das 19h30, no Giovannetti Cambuí, à rua Padre Vieira, 1277, em Campinas. Clique para ver o convite. Continue lendo