Alexia

fcbarcelona.com/football/feminine/women-a/
fcbarcelona.com/football/feminine/women-a/

A jovem catalã Alexia Putellas Segura, ainda vai fazer 22 anos agora em fevereiro de 2016, mas desde 2014 é a musa inspiradora de uma canção de um mega grupo brasileiro, o Skank. Já ouviu Alexia”, faixa que abre o álbum “Velocia”? É ela que o Samuel Rosa está, digamos, cantando. A letra fala de uma Barceloneta blaugrana (numa referência à praia mais conhecida da capital catalã) e narra, em bom português, um golaço de Alexia em 2013.

Capa da Revista Barça, janeiro de 20016 (reprodução)
Capa da Revista Barça, janeiro de 20016 (reprodução)

A lourinha que joga com a camisa 11 azul e grená agora saiu na capa da revista oficial do Barça, edição de janeiro de 2016, ao lado do Piqué. Infelizmente a revista é exclusiva dos sócios do clube (porque se vendesse por aí, seria show!). Esta edição mais recente, com Piqué e Alexia na capa, dedica páginas e mais páginas ao time feminino do Barça – que aliás é tetracampeão espanhol.

Dentro do post, confira uma performance do Skank tocando “Alexia” e o golaço da camisa 11, na final de 2013 da Copa de La Reina (versão da Copa do Rei pro futebol feminino). As garotas blaugranas venceram o Transportes Alcaine Prainsa Zaragoza, por quatro a zero.

Continuar lendo “Alexia”

Trilha sonora do título carioca de 1980

Em dezembro, fez 35 anos que Fluminense conquistou o campeonato carioca de 1980. Na campanha de 80, a torcida tricolor estreou nas arquibancadas do velho Maraca um de seus cantos mais conhecidos: “A benção, João de Deus” – homenagem ao papa João Paulo II, que você sabe, ao lado de Ghiggia e Frank Sinatra, silenciou o Maracanã.

Eram tempos que os clássicos levavam facilmente pelo menos 100 mil pessoas ao estádio. O gol do título – uma cobrança de falta de Edinho contra o vascaíno Mazaropi – abre um LP de vinil lançado pela CID em 80: “É Campeão – Os gols que deram o título ao tricolor” – achado num sebo de Copacabana, 35 anos depois do lançamento. O disco tem oito gols da campanha do Flu, narrados pelo garotinho José Carlos Araújo (então na rádio Nacional), e muitos sambas e marchinhas, em pout-pourris com o conjunto Explosão do Samba. Logo depois do golão de Edinho, vem o hino mais popular do Fluminense, obra de Lamartine Babo. E uma versão de “O Campeão (Meu Time)”, clássico samba de arquibancada de Neguinho da Beija-Flor, que é… rubro-negro. Entre um gol de Cláudio Adão e outro do meio-campo Gilberto, camisa 8 (ambos contratados pelo Flu naquele ano), tem marchinhas clássicas, como “Piada de Salão” e “Chiquita Bacana” e composições de João Roberto Kelly, um tricolor de coração.

Virando pro lado B…DSC07542-1 Continuar lendo “Trilha sonora do título carioca de 1980”

Em cartaz: “Chico – Artista Brasileiro”.

Não fosse o gol de Alcides Ghiggia, aos 34 do segundo tempo, o segundo do Uruguai, a Copa do Mundo de 1950 teria sido levantada por Augusto, zagueiro do Vasco, camisa 2 e capitão da seleção brasileira. É ele quem aparece numa linda foto de José Medeiros, da revista “O Cruzeiro”, sendo consolado pelo goleiro da Celeste, bicampeã mundial, Roque Máspoli. Augusto é o tema de uma das interessantes declarações de Chico Buarque, no belo documentário de Miguel Faria Jr, Chico – Artista Brasileiro. Umas duas décadas depois do Maracanazo, o capitão da seleção de 1950 trabalhava como censor. “Tanto Mar”, letra de Chico Buarque sobre a Revolução nos Cravos, em Portugal, parou no ex-zagueiro. No doc, Chico conta que tentaram dobrar o censor com uma garrafa de whisky. Não adiantou. “Não deixava passar nenhuma bola” o ex-becão, depois censor Augusto da Costa.
12294651_844781628952803_176473536050061165_n
“Chico – Artista Brasileiro” tem outros momentos que reforçam a paixão de Chico 255713_129139183831817_7769166_nBuarque pelo futebol. Aparece jogando botão, jogando com craques como Zidane num jogo de amigos do português Luís Figo, goleando nas peladas do campinho do invicto Politheama com amigos e músicos como Bob Marley. A fotografia ao lado está no museu do Bob Marley na Jamaica, e Chico se diverte contando que segundo um surfista brasileiro, um guia do museu diz que, na foto, Bob está ao lado de “um cantor alemão”… Mais: Mart’nália e Adriana Calcanhotto arrasam em “Biscate”, originalmente um dueto Chico & Gal Costa, disco “Paratodos”, 1993. É uma D.R. de casal em que o cara reclama com a companheira que quer ouvir um hipotético “Flamengo x River Plate”.

Aliás, são muitos bons os números musicais, de Ney Matogrosso ao dueto da portuguesa Carminho com Milton Nascimento, com ótimos arranjos e espetacular captação de áudio.

É um belo documentário sobre a música e um tanto da vida de Chico Buarque de Hollanda. A relação com o pai, a descoberta do irmão, alemão, o casamento com Marieta, a separação. Os netos. Chico escritor. Sem falr no riquíssimo material de arquivo.

Quem se interessa por MPB não pode deixar de ver.

Dentro do post, veja o trailer e confira os cinemas que exibem o filme esta semana.

Continuar lendo “Em cartaz: “Chico – Artista Brasileiro”.”

#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.

#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.

O vizinho de blogosfera está em novo endereço. “Futebol no País da Música”, blog do jornalista e radialista Beto Xavier, autor do livro de mesmo nome: clique em http://brazilianmusik.blogspot.com.br/.  beto xavier

O pesquisador da ligação afetiva entre a bola e a música tem também uma paixão pelo futebol internacional, em especial pela seleção holandesa e pelo campeonato alemão. E a Bundesliga – que começa nesta sexta-feira – é o tema do segundo post do brazilianmusik.blogspot.com.br, depois do relato entusiasmado sobre a “manita” que o Grêmio deu no rival, no histórico Gre-Nal 407. Beto Xavier destaca os quatro brasileiros que já foram artilheiros da liga cada vez mais rica. Amoroso, Elber, Aílton e Grafite – pelo Borussia Dortmund, Bayern, Werder Bremen e Wolfsburg, respectivamente (Grafite acaba de voltar ao futebol brasileiro, reestreando no Santa Cruz).

Vale a pena acompanhar o blog de Beto Xavier:  “Futebol no País da Música”.

http://brazilianmusik.blogspot.com.br/
http://brazilianmusik.blogspot.com.br/

Dentro do post, a entrevista que Beto Xavier deu aqui pro Fut Pop Clube na época do lançamento do livro, “Futebol no País da Música”, em 2009. Continuar lendo “#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.”

Só dá Lalá! Lamartine Babo escreveu os hinos populares de Fla, Flu, Bota, Vasco, do seu Mecão e de mais 6 times.

Post inspirado pela publicação nas redes sociais do Flamengo, que em 9 de julho comemorou os 70 anos do hino popular do rubro-negro (“Uma vez Flamengo, Sempre Flamengo”). Segundo o site do Fla, a composição de Lamartine Babo foi gravada pela primeira vez em 1945 por Gilberto Alves.
11695860_1160904207260287_8252526293578446658_n
Sem dúvida, é um lindo hino, que caiu na boca do povo. Mas  – confirma o site do Fla – oficialmente o hino do Mengo é a marchinha composta pelo ex-goleiro dos anos 1910 Paulo Magalhães (aquela que diz “Flamengo, Flamengo, Tua Glória é Lutar”). Agora, o que o torcedor que acompanha bem o futebol do Rio está careca de saber é que Lamartine Babo também compôs hinos para os rivais Fluminense (“Sou tricolor de coração…”), Vasco (“Vamos todos cantar de coração…”) e Botafogo (“Botafogo, Botafogo, campeão desde…”). Para o seu time de coração, o America – hino que muita gente considera o mais bonito da safra (“Hei de torcer, torcer, torcer…” adaptação da canção americana “Row Row Row”). Para o São Cristóvão, pro Bangu. Para os tradicionais times do subúrbio Bonsucesso, Madureira e Olaria e até pro Canto do Rio, lá da querida Niterói.  Onze hinos, quase que de uma canetada só! Lamartine Babo topou o desafio de Heber de Boscoli, do programa de rádio  “Trem da Alegria” (programa que passou pelas rádios Mayrink Veiga, Globo, Tupi, Mundial e novamente Mayrink). Um hino por semana, segundo o Dicionário Cravo Albin. No palco iluminado do futebol carioca da metade dos anos 40 em diante, só deu Lalá no gogó do torcedor.

E com uma homenagem a Lá Lá Lá, Lamartine, a Imperatriz Leopoldinense foi campeã carnaval carioca em 1981. O enredo se chamou “O teu cabelo não nega (Só dá Lalá)”.

Continuar lendo “Só dá Lalá! Lamartine Babo escreveu os hinos populares de Fla, Flu, Bota, Vasco, do seu Mecão e de mais 6 times.”

Canção do América

Fut Pop Clube em rede com a Coluna de Música

Brasil está vazio na tarde de domingo. Olha o sambão… “

Da coleção de José Cássio Erbist, que ficou na expo Mania de Colecionar, no Museu do Futebol, em 2011.

A rodada deste fim de semana deveria ser toda dedicada ao compositor Fernando Brant (9/10/1946-12/06/2015). Torcedor e conselheiro do América Mineiro, frequentador do Independência, Brant morreu na sexta-feira. O Coelho decretou luto, publicou nota de pesar, fez minuto de silêncio na partida de ontem, contra o CRB, e todos os jogadores usaram camisas com o nome do letrista nas costas e ainda um trecho da música ‘Travessia’ (“Quando você foi embora fez-se noite em meu viver”). No intervalo do jogo, que terminou com a vitória do time de coração do compositor, teve leitura de um texto de pesar e de despedida, e rolou o hino não oficial do América, escrito por Fernando Brant.

Meu coração é verde e branco/
E assim, o jogo está em minhas mãos/
Sou americano, sim, desde menino/
Eu grito é gol, é gol, é gol/
Para sempre vou viver cantando/
É do América, o meu coração/
É do América, o meu coração…”

Brant foi coautor com o cruzeirense Milton Nascimento da essencial “Aqui é o País do Futebol”, gravada pelo próprio Bituca, Wilson Simonal, Elis Regina, Pedro Lima etc… É um dos golaços da seleção brasileira de música. “Aqui é o País do Futebol”, brilhou na trilha sonora do filme “Tostão, A Fera de Ouro”.

http://www.flickr.com/photos/cinefoot
http://www.flickr.com/photos/cinefoot

Quatro canções feitas para o documentário foram lançadas em compacto duplo de vinil na  época (1970). E entraram como bonus tracks nas edições mais recentes do disco “Milton”, também de 1970.

Só com Milton, foram mais de 200 parcerias, como “Travessia” e “Canção da América”. Ambos foram sócios-fundadores do movimento Clube da Esquina.
Continuar lendo “Canção do América”

“Os Rebeldes do Futebol 2” no CINEfoot

B7U-p-vCMAE_j4Z
O doc de Gilles Perez e Gilles Rof passa dia 25/5, 21h, no Espaço Itaú, Praia de Botafogo – grátis.

O prezado amigo Afonsinho (que atuou por XV de Jaú,  Botafogo, Olaria, Vasco, Santos, Flamengo, América Mineiro, Fluminense – e lutou pelo passe livre e direitos dos jogadores), mencionado em gol da MPB boleira marcado por Gilberto Gil – e “narrado” por Elis Regina – está na parte 2 do filme / série Os Rebeldes do Futebol. produzida e ancorada pelo ex-jogador francês Eric Cantona. O primeiro Les Rebelles du Foot passou aqui no festival CINEfoot e no canal Sportv. Contava histórias de cinco boleiros politizados: Rachid Mekloufi, Predrag Pasic, Carlos Caszely, Didier Drogba e Sócrates.

Na segunda parte, Cantona conta as histórias de Afonsinho e mais quatro rebeldes: Honey Thaljieh (jogadora que fundou a seleção feminina da Palestina), Claudio Tamburrini (goleiro do Club Almagro preso e torturado pela ditadura argentina de Videla; fugiu do centro de torturas conhecido como Mansión Sere), Cristiano Lucarelli (considerado uma referência dos boleiros de esquerda na Itália) e Saturnino Navazo (republicano espanhol deportado para o campo de concentração nazista de Mauthausen, lá criou um torneio de futebol para sobreviver e ajudar os presos). As informações da sinopes são do Thinking Football, um festival de cinema de Bilbao que faz pensar. Os Rebeldes do Futebol 2 vão abrir cabeças no Thinking Football, em fevereiro, e no Offside Festival, de Barcelona, em março. Mas certamente em breve devem pintar no Brasil também. [Confirmado: o filme de Gilles Perez e Gilles Rof passa no CINEfoot, 25/5, segunda-feira, 21h, Espaço Itaú, Praia de Botafogo, entrada franca]

Confira um teaser d’Os Rebeldes do Futebol 2. Continuar lendo ““Os Rebeldes do Futebol 2” no CINEfoot”