#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.

#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.

O vizinho de blogosfera está em novo endereço. “Futebol no País da Música”, blog do jornalista e radialista Beto Xavier, autor do livro de mesmo nome: clique em http://brazilianmusik.blogspot.com.br/.  beto xavier

O pesquisador da ligação afetiva entre a bola e a música tem também uma paixão pelo futebol internacional, em especial pela seleção holandesa e pelo campeonato alemão. E a Bundesliga – que começa nesta sexta-feira – é o tema do segundo post do brazilianmusik.blogspot.com.br, depois do relato entusiasmado sobre a “manita” que o Grêmio deu no rival, no histórico Gre-Nal 407. Beto Xavier destaca os quatro brasileiros que já foram artilheiros da liga cada vez mais rica. Amoroso, Elber, Aílton e Grafite – pelo Borussia Dortmund, Bayern, Werder Bremen e Wolfsburg, respectivamente (Grafite acaba de voltar ao futebol brasileiro, reestreando no Santa Cruz).

Vale a pena acompanhar o blog de Beto Xavier:  “Futebol no País da Música”.

http://brazilianmusik.blogspot.com.br/
http://brazilianmusik.blogspot.com.br/

Dentro do post, a entrevista que Beto Xavier deu aqui pro Fut Pop Clube na época do lançamento do livro, “Futebol no País da Música”, em 2009. Continuar lendo “#Futebol no País da #Música. Leia o livro e curta o blog do Beto Xavier, agora em novo endereço.”

Só dá Lalá! Lamartine Babo escreveu os hinos populares de Fla, Flu, Bota, Vasco, do seu Mecão e de mais 6 times.

Post inspirado pela publicação nas redes sociais do Flamengo, que em 9 de julho comemorou os 70 anos do hino popular do rubro-negro (“Uma vez Flamengo, Sempre Flamengo”). Segundo o site do Fla, a composição de Lamartine Babo foi gravada pela primeira vez em 1945 por Gilberto Alves.
11695860_1160904207260287_8252526293578446658_n
Sem dúvida, é um lindo hino, que caiu na boca do povo. Mas  – confirma o site do Fla – oficialmente o hino do Mengo é a marchinha composta pelo ex-goleiro dos anos 1910 Paulo Magalhães (aquela que diz “Flamengo, Flamengo, Tua Glória é Lutar”). Agora, o que o torcedor que acompanha bem o futebol do Rio está careca de saber é que Lamartine Babo também compôs hinos para os rivais Fluminense (“Sou tricolor de coração…”), Vasco (“Vamos todos cantar de coração…”) e Botafogo (“Botafogo, Botafogo, campeão desde…”). Para o seu time de coração, o America – hino que muita gente considera o mais bonito da safra (“Hei de torcer, torcer, torcer…” adaptação da canção americana “Row Row Row”). Para o São Cristóvão, pro Bangu. Para os tradicionais times do subúrbio Bonsucesso, Madureira e Olaria e até pro Canto do Rio, lá da querida Niterói.  Onze hinos, quase que de uma canetada só! Lamartine Babo topou o desafio de Heber de Boscoli, do programa de rádio  “Trem da Alegria” (programa que passou pelas rádios Mayrink Veiga, Globo, Tupi, Mundial e novamente Mayrink). Um hino por semana, segundo o Dicionário Cravo Albin. No palco iluminado do futebol carioca da metade dos anos 40 em diante, só deu Lalá no gogó do torcedor.

E com uma homenagem a Lá Lá Lá, Lamartine, a Imperatriz Leopoldinense foi campeã carnaval carioca em 1981. O enredo se chamou “O teu cabelo não nega (Só dá Lalá)”.

Continuar lendo “Só dá Lalá! Lamartine Babo escreveu os hinos populares de Fla, Flu, Bota, Vasco, do seu Mecão e de mais 6 times.”

Canção do América

Fut Pop Clube em rede com a Coluna de Música

Brasil está vazio na tarde de domingo. Olha o sambão… “

Da coleção de José Cássio Erbist, que ficou na expo Mania de Colecionar, no Museu do Futebol, em 2011.

A rodada deste fim de semana deveria ser toda dedicada ao compositor Fernando Brant (9/10/1946-12/06/2015). Torcedor e conselheiro do América Mineiro, frequentador do Independência, Brant morreu na sexta-feira. O Coelho decretou luto, publicou nota de pesar, fez minuto de silêncio na partida de ontem, contra o CRB, e todos os jogadores usaram camisas com o nome do letrista nas costas e ainda um trecho da música ‘Travessia’ (“Quando você foi embora fez-se noite em meu viver”). No intervalo do jogo, que terminou com a vitória do time de coração do compositor, teve leitura de um texto de pesar e de despedida, e rolou o hino não oficial do América, escrito por Fernando Brant.

Meu coração é verde e branco/
E assim, o jogo está em minhas mãos/
Sou americano, sim, desde menino/
Eu grito é gol, é gol, é gol/
Para sempre vou viver cantando/
É do América, o meu coração/
É do América, o meu coração…”

Brant foi coautor com o cruzeirense Milton Nascimento da essencial “Aqui é o País do Futebol”, gravada pelo próprio Bituca, Wilson Simonal, Elis Regina, Pedro Lima etc… É um dos golaços da seleção brasileira de música. “Aqui é o País do Futebol”, brilhou na trilha sonora do filme “Tostão, A Fera de Ouro”.

http://www.flickr.com/photos/cinefoot
http://www.flickr.com/photos/cinefoot

Quatro canções feitas para o documentário foram lançadas em compacto duplo de vinil na  época (1970). E entraram como bonus tracks nas edições mais recentes do disco “Milton”, também de 1970.

Só com Milton, foram mais de 200 parcerias, como “Travessia” e “Canção da América”. Ambos foram sócios-fundadores do movimento Clube da Esquina.
Continuar lendo “Canção do América”

“Os Rebeldes do Futebol 2” no CINEfoot

B7U-p-vCMAE_j4Z
O doc de Gilles Perez e Gilles Rof passa dia 25/5, 21h, no Espaço Itaú, Praia de Botafogo – grátis.

O prezado amigo Afonsinho (que atuou por XV de Jaú,  Botafogo, Olaria, Vasco, Santos, Flamengo, América Mineiro, Fluminense – e lutou pelo passe livre e direitos dos jogadores), mencionado em gol da MPB boleira marcado por Gilberto Gil – e “narrado” por Elis Regina – está na parte 2 do filme / série Os Rebeldes do Futebol. produzida e ancorada pelo ex-jogador francês Eric Cantona. O primeiro Les Rebelles du Foot passou aqui no festival CINEfoot e no canal Sportv. Contava histórias de cinco boleiros politizados: Rachid Mekloufi, Predrag Pasic, Carlos Caszely, Didier Drogba e Sócrates.

Na segunda parte, Cantona conta as histórias de Afonsinho e mais quatro rebeldes: Honey Thaljieh (jogadora que fundou a seleção feminina da Palestina), Claudio Tamburrini (goleiro do Club Almagro preso e torturado pela ditadura argentina de Videla; fugiu do centro de torturas conhecido como Mansión Sere), Cristiano Lucarelli (considerado uma referência dos boleiros de esquerda na Itália) e Saturnino Navazo (republicano espanhol deportado para o campo de concentração nazista de Mauthausen, lá criou um torneio de futebol para sobreviver e ajudar os presos). As informações da sinopes são do Thinking Football, um festival de cinema de Bilbao que faz pensar. Os Rebeldes do Futebol 2 vão abrir cabeças no Thinking Football, em fevereiro, e no Offside Festival, de Barcelona, em março. Mas certamente em breve devem pintar no Brasil também. [Confirmado: o filme de Gilles Perez e Gilles Rof passa no CINEfoot, 25/5, segunda-feira, 21h, Espaço Itaú, Praia de Botafogo, entrada franca]

Confira um teaser d’Os Rebeldes do Futebol 2. Continuar lendo ““Os Rebeldes do Futebol 2” no CINEfoot”

“Democracia em Preto e Branco”

10363743_604643922991917_6051227694008842334_n

Depois de passar em alguns cinemas, chega à ESPN, quinta-feira, 23/10/14, às 20h), o doc “Democracia em Preto e Branco”, filme da TV Zero já exibido em festivais (É Tudo Verdade. Venceu a Taça CINEfoot de melhor longa 2014 – e no Rio). O documentário conta a história da democracia corintiana, no começo dos 80, em meio ainda a uma ditadura no Brasil, com muito futebol, política e rock and roll. O diretor Pedro Asbeg, que nasceu em Londres e morou muito tempo no Rio, já filmou futebol (Raça Filmes) e finaliza “Geraldinos”.

Também pode ser alugado no canal Now, da Net. Confira o trailer. Continuar lendo ““Democracia em Preto e Branco””

Música de chuteiras

???????????????????????????????
Ninguém aguenta mais ouvir a melô que começa com “Eu sou brasileiro…” nos estádios. A falta de bons refrões no gogó da torcida brasileira virou quase assunto de estado. Patrocinadores resolveram sugerir algumas letras, como se fossem encartes dos queridos discos de vinil. Talvez as torcidas organizadas dos principais clubes do país poderiam selar a paz e ensaiar algumas musiquinhas para embalar a Seleção. Utopia, eu sei. Na goleada contra Camarões, pelo menos rolou “o campeão voltou”. Calma lá. Confesso que temo o show da torcida do Chile no jogo de sábado no Mineirão… E se o Brasil vai passando e pega a Colômbia ou Uruguai nas quartas e mais pra frente, chega a uma final contra a Argentina? A torcida vai ter que jogar junto. Ok, tem rolado o clássico do Neguinho da Beija-Flor, “Domingo (Eu Vou Maracanã)”. Poderia rolar “Fio Maravilha”, “Umbarauma” (entre tantas do mestre Jorge Ben Jor), “Voa Canarinho”, um trecho do hino (…”pátria amada Brasil!), tantos sambas… beto xavierQuem sabe, uma passadinha na exposição Música de Chuteiras, que fica até o final da Copa no Sesc Pompeia, zona oeste de São Paulo, possa inspirar o 12º jogador canarinho. É de graça. Vou tratar dessa mostra ainda neste post, mas antes queria comentar uma curiosidade. São tantas músicas brasileiras sobre futebol, pelo menos desde os tempos de Friedenreich – tantas, que há 2 livros sobre a relação música/futebol, o do Assis Angelo e o do Beto Xavier, que aliás, é um dos consultores da mostra do Sesc – mas para esta Copa, não apareceu quase nada. Tem um bom jingle do banco que patrocina a Seleção… recebi também um samba funk do João Damásio, cantor e compositor de Campos (RJ).

A expo Música de Chuteiras tem curadoria de Marecelo Duarte (“O Guia dos Curiosos”, “Loucos por Futebol”), projeto cenográfico de Álvaro Razuk, consultoria do jornalista Beto Xavier (autor do livro e do blog “Futebol no Mais da Música”) e do colecionador Francisco Antônio Neto, dono de um acervo impressionante. O próprio curador Marcelo Duarte ajuda com sua coleção (que começou com o pai), ponto de partida da mostra.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “Música de chuteiras”

Voa canarinho, voa: o ex-lateral Junior participa do debate sobre futebol & música

1899894_521134994674531_571603531_n
Capinha de “Povo Feliz” / “Pagode da Seleção”: o compacto best-seller de Junior, ex-lateral do Flamengo e da Seleção

Não é mole, não, não é mole, não. Junior, o ex-lateral campeão de tudo pelo Flamengo, hoje comentarista, vendeu mais de meio milhão de compactos, quando gravou o samba que se tornou a trilha perfeita da mágica seleção de Telê Santana na Copa de 1982. Um escrete que não ganhou a Copa, mas conquistou o mundo. “Povo Feliz”, de Memeco e Nonô, gravada pelo Junior antes do Mundial de 82, é a melô do “Voa canarinho, voa”. Junior é um dos convidados da mesa-redonda que abre a “Futebol no País da Música”, série de shows inspirada pelo livro do jornalista Beto Xavier, também presente no debate desta sexta-feira, 7 de fevereiro, a partir de 21 no CCBB do Rio (saiba mais no post anterior).

Continuar lendo “Voa canarinho, voa: o ex-lateral Junior participa do debate sobre futebol & música”